quarta-feira, 20 de junho de 2018

EMEF Souza realiza sua primeira Festa da Lanterna

     A Escola Municipal de Ensino Fundamental Souza, localizada no bairro 17 de Março, em Aracaju, recentemente inaugurada, realizou sua primeira Festa da Lanterna em comemoração à época junina.
     Dado o pouco tempo de funcionamento da unidade, os pais e professores da Escola Micael de Aracaju encenaram a peça teatral A Menina da Lanterna para a criançada presente. O entusiasmo foi geral.
     Assim, no dia de Santo Antônio, 13 de junho, mais um movimento interescolar acontece para permitir diversão e transmitir mensagens positivas para todos os alunos Waldorf destas iniciativas.
     Parabéns aos pais e professores Waldorf de Aracaju por tanta dedicação de qualidade para nossas crianças. 
 
 















 






segunda-feira, 11 de junho de 2018

Festa da Lanterna 2018 foi um grande sucesso!

     As comemorações juninas de 2018 foram realizadas com grande sucesso pela comunidade escolar da Escola Micael de Aracaju.
     Alegria e participação não faltaram entre os presentes, quando, além dos festejos típicos, pais e mães apresentaram a peça teatral A Menina da Lanterna. Esta representação cênica é realizada nos meses de junho em todas as escolas Waldorf nos mais de 60 países onde essa pedagogia está presente.
     A Menina da Lanterna apresenta a estória de uma menina que sai em busca de ajuda para acender sua lanterna que se encontra apagada. Após muito buscar sem sucesso, encontra o Sol que acende sua lanterna. De posse de sua luz, a menina faz o mesmo caminho voltando e, agora, ajuda a clarear a todos que necessitam de luz para suas vidas, acendendo-lhes as luminárias. Esse é o simbolismo do São João e suas fogueiras tão presentes no nosso Nordeste, numa visão mais regional de uma imagem universal.
     Parabéns a todos que fazem a Escola Micael de Aracaju, capazes de realizar uma festa com tanta luz e calor no nascer do inverno.
 
Apresentação da peça teatral A Menina da Lanterna

Muitos presentes

O passeio com as lanterna acesas

As crianças adoram esta festa 

As meninas e os meninos das lanternas

Luz e calor para as famílias - momento impar

Amigos presentes, muitos

A mesa do "milhão"

Oportunidade de reencontro - A volta de pais e avós

O verdadeiro luz para todos

O quarteto Pé-de-Serra, grandes sucesso

Todos em volta da fogueira junina

sexta-feira, 8 de junho de 2018

Prefeitura de Aracaju comemora suas escolas Waldorf

Fonte: http://www.aracaju.se.gov.br/noticias/76915
 
Educação

Pedagogia Waldorf inova o ensino em escolas da rede municipal

06/06/18 19h08

Há cerca de um mês a Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal da Educação (Semed), inaugurou a segunda instituição pública de ensino no Brasil a trabalhar a pedagogia Waldorf, a Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) José Souza de Jesus, localizada no bairro 17 de Março. Sua vizinha, a Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Doutor José Calumby Filho, foi a brasileira pública pioneira e ambas estão oferecendo uma metodologia de ensino baseada não somente no desenvolvimento do pensar, mas também no do sentir e agir de cada criança.

No conceito Waldorf, o ensino tem como prioridade a educação do ser humano como um todo, e não apenas aquela abordada nos conteúdos didáticos de ensino tradicional. A coordenadora pedagógica da Emei Doutor José Calumby, Emmanoela Melo, explica que o planejamento pedagógico é feito de acordo com as estações do ano, as principais datas comemorativas e, além disso, a arte está posicionada como um importante componente curricular. 
“A aplicação dessa pedagogia traz um olhar mais humano para o aluno. Todas as semanas há aulas de trabalhos manuais, jardinagem, culinária, leitura de contos, rodas de conversas e repetição de versos, que podem ser oração ou frases motivadoras”, afirma a coordenadora da Emei.

Na prática

A professora da Dr. José Calumby, Mayra Araújo, é considerada pelos seus colegas como uma entusiasta da Pedagogia Waldorf. Em um só dia, os alunos leram e repetiram poema de Ruth Sales e visitaram um milharal cultivado na própria escola, trabalhando o inverno e o período junino. Para ela, a principal proposta ao exercer o conceito em sala é enxergar e respeitar os alunos e os momentos que cada um estão passando.

“Depois que comecei a trabalhar com a pedagogia Waldorf minha visão sobre ensinar mudou. Sinto cada um de uma maneira, o que meu aluno está passando, se tem mais dificuldade para aprender. Sem falar que mesmo avançando a série eu os acompanho, continuo sendo a professora e isso faz com que nosso ritmo de ensino e aprendizagem tenha continuidade e se fortaleça. O fato de trabalhar com os projetos de acordo com a época também é muito interessante para mim e para eles”, elenca a professora.

Assim como a Emei, a Emef José de Souza tem, ainda, características peculiares, como salas específicas para aulas de musicalização e pintura, a prática de meditação e várias salas em que os professores trabalham com as crianças organizadas em dupla, grupos ou um círculo. A diretora da Emef, Marpessa Dávila, conta que a maioria dos alunos vieram de escolas tradicionais e que no início, tanto elas como os pais estranharam a metodologia, mas agora se mostram encantadas pelas atividades e cada vez mais interessadas em participar.

Segundo ela, a maior diferença da Waldorf para as outras escolas é o olhar mais humano para, principalmente, as crianças com faixa de idade até sete e quatorze anos – o que chamam de primeiro e segundo setênio. Marpessa explica uma das ferramentas utilizadas em sala. “O desenho de formas é um dos instrumentos da Waldorf utilizado por nós. Consiste em desenhos de formas geométricas para desenvolver a concentração, os movimentos necessários nas escritas cursivas e demais habilidades úteis para a criança. Mas, com tudo isso ainda aprendem a ter mais segurança interior, o que ajuda no poder de decisão”, detalha.

A estudante da Emef, Ane Gabriela Oliveira, de 10 anos e cursando o sexto ano, descreve como está sendo sua experiência como aluna da pedagogia Waldorf. “Eu me sinto com mais vontade de estudar, mais motivada. Na escola que eu estudava antes a gente não tinha tempo livre, não tínhamos aula de música, artes, nada disso. Todo os dias, quando chegamos, nos sentamos de coluna reta, deixamos as pernas livres e meditamos um pouco. Vejo diferença porque a gente abre muito bem a mente para aprender, para estudar. E a professora não fala 'ah, você errou', 'está errado', ela conversa e nos mostra como podemos estudar para acertar”, conta.

Importância das artes

A professora de artes da Emef José Souza, Maria Aparecida Dias, faz um aprofundamento sobre a importância das artes às crianças na escola. “A arte não é uma brincadeirinha, mas algo muito sério. Não é fazer arte apenas para enfeitar a parede, mas para educar o coração, a demanda emocional. Há uma voz dentro de cada um que fala consigo mesmo, é a consciência. E antes dos pais, professores, ou quem quer que seja, as escolhas de cada um são feitas levando-se em conta essa voz, que as artes trabalham e educam. Se você tiver com mais três amigas e eu te pedir para desenhar uma cadeira, vou ter quatro cadeiras diferentes. Porque cada qual é de um jeito e vê o mundo de um jeito. E a criança só experimenta a si mesmo, quando sai do que é exato e objetivo, para uma ampliação de possibilidades”, explana.

Maria Aparecida pontua que todas as artes são aplicadas dentro do que é exigido pelo Ministério da Educação (MEC) e fala com mais detalhe do que é trabalhado em sala de aula. “Quando eu passo uma aula sobre aquarela, por exemplo, estou na educação das emoções, porque o trabalho com as cores fala sobre expressão, assertividade e calma. Também fazemos trabalhos manuais, ajudando na concentração. Não é fácil ser crianças e assim elas aprendem melhor a ler, a escrever, ajuda a entenderem o pensamento e enaltecer sua individualidade para o mundo”, ressalta.

 “Não formamos só médicos, pintores, costureiros e engenheiros, mas pessoas, seres humanos que exercem a medicina, a pintura, a costura ou a engenharia, e que compreendem melhor o outro e o mundo a sua volta. São alunos que aprendem os conteúdos didáticos, mas que também aprendem a ter mais responsabilidade, organização e respeito. No mundo das letras e dos números são áreas muito importantes, e essas crianças vão ter mais vontade de aprender, destreza, um olhar mais poético em relação às palavras, exatidão para lidar com números", complementa. 
 







 

sábado, 26 de maio de 2018

EMEF Souza (waldorf em formação) realiza primeira reunião de pais

     A Escola Municipal de Ensino Fundamental José Souza de Jesus, recém inaugurada, realizou no dia 10 de maio passado a primeira reunião de pais com a finalidade de dar informes gerais e pedir apoio a todos para a execução do ano letivo com integração das famílias na comunidade escolar.
     Os pais e mães atenderam ao chamado e compareceram em massa à reunião que contou com a presença do Prefeito Edvaldo Nogueira, da Vice-Prefeita Eliane Aquino, da Secretária de Educação Cecília Leite, da viúva do sindicalista Souza (homenageado), dos gestores, dos professores e do casal Paulo do Eirado e Cida Dias, do Instituto Social Micael.
     Na oportunidade o Prefeito pediu a todos que zelem pela conservação da nova escola e que acompanhem a evolução das crianças ao longo do ano, frisando a importância da Educação para a transformação da realidade da comunidade.
    O I.S. Micael é parte integrante da formação de professores e da assistência técnica para a implantação da Pedagogia Waldorf nesta unidade escolar exemplar.
 
 
Prefeito Edvaldo Nogueira conduz a reunião de pais

Numeroso público presente na reunião de pais

Manuel Dantas, professor de música da escola se apresentando
 
Todos atentos ao evento
  
Prefeito canta canções de Luiz Gonzaga acompanhado pelo Professor Manuel
 
 

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Aracaju inaugura a segunda escola pública Waldorf

     O mês de maio registra um importante acontecimento em Aracaju: A Prefeitura Municipal, juntamente com a Secretaria de Educação, inaugurou no último dia 10, uma nova escola pública que já nasceu seguindo a orientação pedagógica Waldorf. Trata-se da Escola de Ensino Fundamental José Souza de Jesus, ou simplesmente "Souza", como ficou conhecido o saudoso militante da causa sindical bancária em Sergipe, falecido em 2014, que empresta o nome a essa bela escola.
 
     A EMEF Souza é a primeira escola de Ensino Fundamental do bairro 17 de Março e é vizinha à EMEI - Calumby (Educação Infantil Waldorf) em funcionamento pelo segundo ano. Ambas adotaram a Pedagogia Waldorf e recebem grande apoio da comunidade local, além dos professores, técnicos, colaboradores e gestores.
 
     A nova escola foi inaugurada com 443 alunos matriculados nas séries 1ª à 5ª e dispõe de uma equipe de gestores, técnicos e docentes de primeira grandeza, alguns deles já formados pelo I.S. Micael. 
 
     O Instituto Social Micael parabeniza a iniciativa da Prefeitura Municipal de Aracaju de expandir o acesso à Pedagogia Waldorf para os alunos da rede pública. Por certo, a sensibilidade do Prefeito Edvaldo Nogueira, da Vice-Prefeita Eliane Aquino e da Secretária de Educação Cecília Leite em ouvir a comunidade, os professores, os técnicos, os diretores e os pais/mães, os levaram a decidir, após avaliar criteriosamente a melhor opção educacional para a nova escola, pela Pedagogia Waldorf.
 
 
 
Fachada principal
 
Prefeito Edvaldo Nogueira (ao centro), Secretária de Educação Cecília Leite (primeira à esquerda) e Professores da Souza
 
Familiares de Souza descerrando placa em homenagem, com o Prefeito e a Secretária de Educação
 
Ato de inauguração da escola com discurso do Prefeito Edvaldo Nogueira
 
Visão interna